Jundiaqui
Jundiaqui

Carnaval!

Jundiaqui
27 de fevereiro de 2020
Por Kelly Galbieri

Quantas emoções sentimos nestes cinco dias de festa. Aliás, não são em cinco dias, já que os preparativos começam bem antes... bem bem antes.

Pensar na fantasia já é uma festa. Lembrar quais já usamos, experimentar apetrechos que combinam com a roupa, comprar brincos da mesma cor, ver calçados confortáveis que aguentem as horas de “luta”, enfim... tudo isso não se faz de uma hora para a outra. Ainda bem, já que o melhor da festa é esperar por ela... ou não... rs

Depois vem a graça e a delícia de convidar amigos, familiares, vizinhos, colegas de trabalho para montar bloquinho para ir no “blocão”. Muito legal viver essa experiência aguardada durante todo o ano, soltar esses risos presos.

E já nas ruas, a alegria se espalha, toma conta da gente. É uma festa contagiante. Encontramos amigos que só vemos no Carnaval, pessoas fantasiadas de todos os personagens possíveis e imagináveis, crianças de colo, casais apaixonados, casais se conhecendo naquele dia e se apaixonando também, coisas de Carnaval...

A nossa Jundiaí fica tomada por milhares de foliões durante todos os dias; e ainda aqueles que não tem simpatia por esta festa popular, têm que admitir que é a maior festa brasileira e a que traz mais alegria ao nosso povo.

Assim que volto para casa depois de uma dessas festas, corro até o celular para acompanhar pelo Facebook, Instagram e pelo nosso querido JundiAqui as milhares de fotografias, e aí vem mais uma onda de alegria que se estende por pelo menos uma semana, já que todos postam sem parar... rs

E assistir ao Carnaval de São Paulo e Rio de Janeiro pela televisão? Fazer, ouvir os comentários de cada escola de samba? Tem coisa melhor? Todo ano tem escola se sentindo injustiçada, escola que fala algo que um grupo não concorda, escola que choca e a “guerra” entre os internautas começa.

Engraçado é que na Quarta-feira de Cinzas todos querem ser melhor para iniciar a Quaresma. E então prometem mundos e fundos. A moda agora é não prometer mais parar de comer doce, chocolate, parar de beber bebida alcoólica, parar de fumar por 40 dias; e sim parar de falar mal dos outros, parar de julgar, ser mais tolerante, ser mais caridoso ou algo do tipo.

Pena que estas promessas só durem quarenta dias. E no 41º o preconceito volte, o julgamento volte, a caridade vai embora...

De qualquer forma, são as emoções de todos os anos do nosso bom, velho e querido CARNAVAL!

Kelly Galbieri é advogada e assessora de Políticas da Diversidade Sexual de Jundiaí
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Dança dos técnicos: razão ou emoção?

Por Luis Cláudio Tarallo

Jundiaiense na Irlanda diz que quarentena deveria ser obrigatória também aqui

Alexandre Rossi, o Ferrinho, só pode sair de casa para ir ao mercado em Dublin

Barcelona: comer, rezar e amar

Márcio Miguel traz 10 dicas para você curtir essa cidade apaixonante

E o fenômeno Rudy vai fazendo a festa

Sozinho no palco, ele coloca centenas pra dançar e cantar por mais de quatro horas 
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.