Jundiaqui
Jundiaqui

2h46 de fila por 35,7 litros de álcool. E foi um alívio

Jundiaqui
30 de maio de 2018
Filas quilométricas seguem nos postos de Jundiaí nesta véspera de feriadão

Edu Cerioni

Vida que segue... Mas não a normal ainda. Para abastecer, encarei uma fila de 2h46 minutos no Posto Robertão nesta quarta-feira (30). Depois, aproveitei pra passar no supermercado e vi produtos faltando de monte. Tem pouco movimento nas ruas, os pontos de ônibus seguem cheios, a criançada sem aulas está por todo lado. Pelo que sinto, a vida vai seguir mesmo seu rumo normal só na segunda-feira (4), depois do feriadão prolongado de Corpus Christ. Ou seja, uma quinzena se foi por conta da greve dos caminhoneiros - justa e que mostrou vivermos no país do desgoverno.

Depois de uma semana exatamente sem abastecer meu carro, resolvi encarar a fila no posto. E que fila! Foram ruas e mais ruas da Vila Helena até chegar ao bico e poder colocar exatos R$ 100,00. Optei pelo álcool, a R$ 2,799 o litro, um total de 35,7 litros. Na gasolina esse dinheiro iria render cerca de 24 litros. E que alívio quando chega a sua vez e ninguém diz que acabou.

Minha jornada começou às 11h45 na rua Pedro de Carvalho. Passei pela Floriano Giglioli, Dr. Adriano de Oliveira, Serra Negra, Buenos Aires, Antonio Aiello Filho e Suíça, até a chegada na avenida 14 de Dezembro no posto Ipiranga. Pergunta lá quanta gente ficou atrás de mim - espero que tenha combustível para todos. Isso foi às 14h31.

Nesse tempo todo, deu para acabar a bateria do celular e ainda ler 45 páginas da revista "Super Interessante", uma parceira e tanto pelo caminho. Rolou conversas com motoristas na frente e atrás, teve sufoco para manobrar e abrir caminho aos moradores que saiam de carro em ruas apertadas, teve vendedores ambulantes que se deram bem. "É 2 água gelada, é 2 o pururuca".

Pensei muito em amigos como o Roberto e o Arnaldo que optaram pela bike e estão isentos da crise de abastecimento. Mas refleti sobre uma Jundiaí cheia de subidas que não me anima a encarar as pedaladas.

Guardas municipais e "amarelinhos" (ou seriam "verdinhos" agora com o novo uniforme?) ajudaram a organizar a fila para que os furões não trouxessem problemas. Não vi nada de ruim. Vi muita gente empurrando o carro para evitar o liga e desliga, mas a maioria seguiu o fluxo sem lamentar. Formou-se rodinhas de conversa e o papo era sempre o mesmo: como chegamos a tal ponto.

Como andei muito a pé, vi filas em postos nos últimos dias e imaginava o que levou aquela pessoa a ficar ali tanto tempo. Eu quero ir para Bom Jesus de Pirapora neste Corpus Christ e foi isso que me motivou. Outros queriam trabalhar, ter a segurança de que poderiam sair de casa numa emergência, enfim, cada um é cada um. A dica: se você tem combustível e não vai longe, dá um tempo para que as filas diminuam. Outra possibilidade é ir com paciência e encarar algo novo nestes últimos vinte ou trinta anos de Brasil.

Depois de dez dias de protestos, estradas estão sendo todas liberadas pelos caminhoneiros. O jeito é curtir o feriado prolongado em família e na segunda correr atrás do prejuízo.



 

 

 
Jundiaqui
Você vai
gostar de

E a Covid-19 vai raspando até a barba de jundiaienses

Acreditando em maior proteção na guerra ao vírus, muitos estão mudando o visual na cidade

Bom futebol se joga com boas ideias

Por Marcel Capretz

Ferroviários promovem encontro no dia 15

Evento marca lançamento do décimo volume de “Meu Pai Foi Ferroviário”

Conto de uma noite de Natal

Por Nelson Manzatto
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.