Jundiaqui
Jundiaqui

O último apito da Bragantina

Jundiaqui
4 de julho de 2019
Por Vilvaldo José Breternitz

Campo Limpo Paulista pertencia a Jundiaí. De Campo Limpo partia a Estrada de Ferro Bragantina (EFB), que chegava até a cidade de Bragança Paulista.


Em fins da década de 1860, fazendeiros de Bragança lançaram a ideia de construir uma estrada de ferro que, ligando-se aos trilhos da Santos a Jundiaí, permitisse enviar rapidamente sua safra de café ao porto de Santos, substituindo as tropas de burros que eram utilizadas nesse transporte - eram semanas de viagem de Bragança até o litoral.


Os trabalhos de implantação da ferrovia foram iniciados em fins de 1878 e se arrastaram por quase 6 anos, incluído aí um tempo de quase dois anos em que as obras ficaram completamente paralisadas, pois a companhia que estava construindo a ferrovia quase faliu.


Foram superados obstáculos imensos à época, pois não havia maquinário disponível e tudo tinha de ser feito com pás e picaretas. Finalmente, em 4 de maio de 1884 inaugurou-se o primeiro trecho, de Campo Limpo até Atibaia, e em 15 de agosto do mesmo ano até Bragança, numa extensão de 52 km.


Inicialmente a ferrovia utilizou 5 locomotivas a vapor Kitson de fabricação inglesa, que foram batizadas em homenagem a autoridades da época: Conde de Três Rios, Dr. Luiz Leme, Dr. Lins de Vasconcellos e Barão de Jundiahy; a quinta chamou-se Bragança.  A ferrovia ainda tinha 8 carros de passageiros e 55 vagões de carga de diversos tipos, inclusive para transporte de animais.


Mais tarde, a EFB adquiriu duas automotrizes diesel de procedência inglesa, da marca Walker, que entraram em serviço em 01/09/1938.


Elas passaram a ser denominadas, após a passagem da EFB para o governo estadual, “O Bandeirante” e “IV Centenário”. Essas máquinas faziam o transporte de passageiros na região de Atibaia e Bragança.


A Bragantina mudou de dono várias vezes - em 1895 Luís de Oliveira Lins de Vasconcelos lidera um grupo que adquire as ações da EFB, tornando-se dono da companhia, que em 1903 foi vendida à São Paulo Railway, que era a dona da linha Santos a Jundiaí.

Em 1946 a SPR passou para o controle do governo federal, e a Bragantina para o estadual. Apesar de alguns investimentos do governo, a  EFB continuava 'famosa' pelos seus equipamentos obsoletos, velocidade baixa e pouca confiabilidade em termos de horários – após ser estatizada, tornou-se rapidamente um cabide de empregos.

A situação da empresa começara a agravar-se com a crise de 1929, que levou à extinção da cultura do café na região, deixando de haver necessidade do trem para seu transporte.


Nos anos 1960, o asfaltamento das rodovias que ligavam as cidades da região, a construção da rodovia Fernão Dias, que corria praticamente paralela aos seus trilhos e o fato de transportar apenas cerca de 70 toneladas de carga ao dia selaram sua sorte: em 21-06-1967, após anos de prejuízos (em 1966 mais de 1,2 milhões de cruzeiros novos), às 16:50, o último trem  partiu de Campo Limpo com destino a Bragança Paulista, tracionado pela locomotiva diesel  nº 8, que pertencera à Cia. Mogiana.


Foi nesse dia que se ouviu o último apito e a EFB morreu...


Jundiaqui
Você vai
gostar de

Jundiaí estica o Dia da Dança para sábado e domingo

Mais de vinte academias de Jundiaí fazem apresentações gratuitas

Depois da tensão vem a virada e o grito de campeão

Corintianos se reuniram na Cachaçaria da 9 de Julho pra assistir a vitória que valeu o título

“Maria e os Pacotes” tem apresentação no Festival de Teatro

Festeju começa no sábado e terá apresentações até dia 30 de setembro

Skaf veio a Jundiaí neste domingo, mas está fora da disputa

Vão para o segundo turno na briga pelo Governo de São Paulo João Dória e Márcio França
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.