Jundiaqui
Jundiaqui

Alexandre Siciliano, a Cia Mechanica, o gasogênio e a Sifco

Jundiaqui
30 de junho de 2017
Vivaldo José Breternitz é quem conta a história desse italiano que revolucionou nossa indústria

Alessandro Vincenzo Siciliano (nascido em San Nicola Arcella, a 17 de maio de 1860 e que morreu no Rio de Janeiro, dia 19 de fevereiro de 1923) foi um verdadeiro pioneiro em muitos ramos de atividade e marcou a história de Jundiaí.

Filho de uma família muito pobre, veio para o Brasil aos 9 anos de idade na companhia de seu cunhado. Logo começou a trabalhar no comércio e o sucesso veio cedo.

Jovem, patenteou uma máquina para beneficiar café e arroz. Depois, foi banqueiro, dirigente de entidades de classe e filantropo. Dentre seus descendentes, está a hoje senadora Marta Suplicy.

Alessandro Vincenzo Siciliano fundou a Companhia Mechanica e Importadora, que teve fábrica em Jundiaí, no local onde hoje se encontra a Sifco (foto mais ao alto), que nasceu em 1958, produto de associação da Mechanica com empresas americanas.

A Mechanica teve suas origens na Ferraria Agrícola, que fabricava ferramentas como enxadas, picaretas e outras do mesmo tipo e fora fundada pelo suiço Frederico Vigel - quando menino, ao dizer alguma asneira, ouvia de minha Nonna Maria: "vá trabalhar na Agrícola...".

Além de ferramentas, a Mechanica produziu um gasogênio, aparelho que produz gás combustível para alimentar motores de combustão interna, especialmente de veículos automotores. Foi muito utilizado no Brasil à época da 2ª. Guerra Mundial, quando o petróleo foi severamente racionado.

O anúncio ao lado menciona uma prova para veículos movidos a gasogênio realizada entre as cidades de São Paulo, São Roque, Sorocaba, Itu, Campinas e Jundiaí, retornando a São Paulo, isso no ano de 1943. A velocidade média foi de cerca de 54 km/hora e o consumo de carvão de 350 gramas por km.

O Conde Siciliano, como ficou conhecido, viveu em um palacete da Avenida Paulista, na Capital, que comprara em 1911. O imóvel foi projetado pelo arquiteto Ramos de Azevedo e acabou sendo demolido nos anos 1970 - localizado na esquina da Alameda Joaquim Eugênio de Lima, o imóvel deu lugar ao Edifício Winston Churchill. No portal "São Paulo Antiga", há mais informações e fotografias do palacete - vale a pena uma visita a ele!



Seu falecimento causou grande consternação na cidade de São Paulo, o que levou uma grande multidão a aguardar a chegada do corpo, na Estação da Luz, para render suas últimas homenagens.

Da Estação, o féretro foi à igreja do Liceu Sagrado Coração de Jesus, onde foi celebrada uma missa pela sua alma. Após o encerramento da cerimônia o corpo foi levado ao Cemitério da Consolação, onde foi sepultado - seu túmulo está na rua 22, lotes 3 e 4. O convite da Associação Comercial para o féretro e uma foto de seu túmulo estão abaixo.



Vivaldo José Breternitz, do blog Jundiahy Antiga



Jundiaqui
Você vai
gostar de

Brasil supera 2 milhões de casos de Covid-19

A primeira notificação no país foi feita em 26 de fevereiro

Café Pelé é dos holandeses, mas sairá todo de Jundiaí

Trata-se de uma produção anual de 20 mil toneladas que virá de Barueri para cá

Lívia Zuccaro, repórter de Jundiaí do “Brasil Urgente”, fala em tristeza coletiva

“Será que semana que vem eu vou poder ver a minha vó que to morrendo de saudade?”

O paliativo Jair Ventura no Corinthians

Por Marcel Capretz
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.