Jundiaqui
Jundiaqui

A história do ônibus desgovernado que desceu a São Bento em 1958

Jundiaqui
1 de março de 2020
Por Vivaldo José Breternitz, do Blog Jundiahy Antiga




Às 12 horas do dia 7 de janeiro de 1958, aconteceu um grave acidente em nossa cidade, notícia dada pelo jornal "O Estado de S. Paulo" e que trago aqui ampliada por conta da pesquisa de Vânia Feitosa, produtora cultural e idealizadora do projeto "Memórias Póstumas da Cidade". Ela recuperou documentos de nossa Câmara Municipal, detalhando os acontecimentos...



Um ônibus da Auto Ônibus Jundiaí Ltda. estava sendo levado para a garagem situada à Rua Rangel Pestana, para reparo nos freios - era um Chevrolet 1954. O veículo descia a São Bento e, quando tentava entrar na Rangel,  teve que fazer uma manobra brusca para não atropelar uma garotinha que atravessava a rua.

A partir daí, desceu sem controle e acabou colidindo com o prédio dos escritórios da Cia. Paulista, após bater e tirar do caminho um carro, segundo o correspondente do jornal. O impacto foi tão forte que a carroceria se separou do chassi, como mostra a foto acima.

O prédio ficava no final do descidão da rua São Bento, à frente um pouco da hoje avenida União dos Ferroviários. Bateu onde funcionava o "Hollerith" (como era chamada a área de Tecnologia da Informação à época), isso tudo depois de cruzar os trilhos da Estrada de Ferro Sorocabana - imagine a tragédia que poderia ter acontecido se um trem cruzasse seu caminho...

O ônibus derrubou uma parede dos escritórios e seu motorista, Joaquim Antunes, de 42 anos, foi levado ao São Vicente, mas não resistiu aos ferimentos e morreu ao dar entrada no hospital. Um único funcionário da Cia. Paulista, Avani Prado Ribeiro, se feriu.

Naquela época, a rua São Bento tinha um sentido diferente do atual - hoje sobe sentido Barão de Jundiaí, em 1958 descia.

Todos na cidade falavam à época do gesto heróico do motorista, que  permaneceu ao volante cruzando as ruas Marechal Deodoro da Fonseca, Prudente de Moraes e XV de Novembro, buzinando, e assim evitando que o ônibus atropelasse algum pedestre.

Próximo ao local do acidente, ficava a portaria das Indústrias Andrade Latorre (fábrica de fósforos), e o acidente poderia ter causado mais vítimas por conta do horário de almoço.

Joaquim Antunes, que deixou esposa e quatro filhos, era morador da rua Francisco Pereira de Castro, no Anhangabaú. Foi homenageado e dá nome a uma das ruas de nossa cidade, no bairro Bela Vista.

Foto: Arquivo Cia. Paulista via acervo Professor Maurício Ferreira/Sebo Jundiaí

Jundiaqui
Você vai
gostar de

Paulista conquista título da 4ª divisão estadual

Foi com empate por 3 a 3 contra o Marília em um estádio Jayme Cintra com quase 8 mil torcedores

Show em homenagem a Venâncio tem últimos ingressos à venda

Vai ser dia 8 de outubro no Sesc Jundiaí, com a banda  Mágicos e Místicos

A casa que habito

Por André Kondo

Juliana Galdino nos 100 anos da Revolução Russa

Atriz que fez história em Jundiaí, lê discurso de Stálin para projeto da TV Folha
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.