Jundiaqui
Jundiaqui

Ultraje sem rigor

Jundiaqui
29 de julho de 2019
Pelo Dr. Didi

Hoje é aniversário de falecimento do meu pai. "O professor Diógenes". Acho que foi, juntamente com dia em que minha mãe se foi, os dias mais tristes da minha vida.

Natural que seja assim.

É a ordem da vida.

Os meus faleceram já com mais de noventa anos.

O bom Deus nos deu esse privilégio de vê-los até essa idade...

Vivi os anos setenta como adulto e mesmo tendo pertencido às fileiras do glorioso Exercito Brasileiro, tenho a exata noção do que foram aqueles anos "de chumbo".

Sou um democrata convicto em razão daquilo que entendo ser um país, uma nação, um povo.

Hoje me sinto ultrajado ao ver o que nos foi dito pelo Sr. Exmo. Presidente da República.

Imagino o sentimento do Sr. Presidente da OAB ao ver o "vilipêndio" à morte de seu pai.

Tinha apenas dois anos e seu pai vinte seis quando desapareceu.

Era uma guerra e guerreiros morrem ou desaparecem, mas homens mortos em combate merecem ser honrados.

Seu pai não o viu se tornar advogado e presidente da uma OAB que respeitamos.

Graças, novamente, ao bom Deus o meu me viu como médico. E quanta honra sentia por ter formado três médicos e um engenheiro-professor.

"Glória ao Brasil, glória ao Brasil, se eu voltar a minha terra serei imune de ação vil" (da canção "Esbelto Infante").


Diógenes Augusto Archanjo da Silva, o Dr. Didi, é médico ortopedista
Jundiaqui
Você vai
gostar de

O futebol arte e o resultado no futebol

Por Luis Cláudio Tarallo

Jundiaí recebe primeira remessa de vacinas da Pfizer

Foi a 30ª retirada de doses, as anteriores de CoronaVac e AstraZeneca

Leões da Hortolândia leva o bi das escolas de samba

Com 89,25 dos 90 pontos possíveis, é a vencedora do Carnaval de Jundiaí

La Bella Arte agora em um verdadeiro estúdio de dança

Escola muda de endereço na Vila Arens, agora na rua General Carneiro
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.