Jundiaqui
Jundiaqui

Estamos na Nossa nas lembranças deixadas por Picôco Barbaro

Jundiaqui
20 de fevereiro de 2021
Resgatamos um texto do saudoso colunista social de um Carnaval que passou

Picôco Barbaro - fev.2016

Foi em 1968 ou 1969? Foi depois do AI-5 com certeza. Era tudo proibido, vigiado e delatado. Na Ponte São João, bairro tradicionalmente líder de reivindicações trabalhistas, fomentador de greves, um grupo de jovens proclamou um novo grito de guerra: Viva a Folia. Do Bar do Ênio Baialuna surgia o Estamos na Nossa.

Mambembe, batucada macarrônica, vestes despojadas, na verdade aos trapos, sem cordão de isolamento, sem batedores a abrir espaço, Norival Roberto Sutti desceu da Ponte do alto para a Ponte de baixo, pela Avenida São João. À frente uma rainha, uma porta bandeira tendo braços abertos como estandarte: Dagmar Fortes. Nunca mais o Carnaval jundiaiense foi o mesmo. Estava aberta a era do escracho, da irreverência, do deboche na contra mão da ordem de serviço militar.

Ninguém perfilava, ninguém dava ordem e ninguém obedecia: cada um na sua e todos na nossa. Por uns dois anos só no bairro. Depois, a arruaça a desafiar cronograma do Carnaval Oficial.

Figurinos

No primeiro ano de desfile oficial, no Centro, o saudoso estilista Carlinhos Spina confeccionou uma espécie de “jardineiro” com tecido de colchão. Tomava medida no olhômetro: pequena, média e grande eram as metragens muito antes da indústria adotar esse critério de massificação para o varejo. Na fora de entregar as “fantasias” a medida transformou-se num dá uma pra mim, qualquer uma serve.

Só depois com a Delzira é que os tamanhos foram respeitados, ainda que a grande, por economia de tecido (um ano foi pano de lingerie), só coubesse pela metade na rapaziada um pouco mais forte.

Bebi muita Santa Margarida

Duas músicas foram adotadas pelo bloco antes de composições próprias. “Eram minhas as sandálias dela” e “ Vesti meu palhaço de bola com flor na lapela” e um outro trecho, “Bebi muita Santa Margarida e saí pela avenida desfilando a solidão”, escritas pelos irmãos Guilherminho e Duto Sperry e pelos saudosos Maurício Mojola e Eduardo (Mano) de Souza.

Um ano cantou-se “Vai Passar” do Chico. Depois veio a época de ouro das composições de Erazê Martinho, uma exclusividade para o Estamos na Nossa e das quais a Banda da Ponte se aproveitou. Sim, porque nos 1980 foi criado o primeiro desfile de rua independente pelo mesmo grupo do Estamos. Desfilava na Ponte e ia até o Centro: tudo e todos a pé dois, à exceção da Bandinha do Carlitos que ia de trenzinho.

Erazê eterno

Erazê Martinho compunha marchinhas carnavalescas tipo as de Lamartini Babo com igual genialidade. Zé Danon fazia a partitura e Cacilda Romero cantava para a bandinha de sopro tocar. Os temas do Estamos e da Banda: se a forma era de relaxo bem racional, o conteúdo era emocionalmente histórico.

Comemorou-se os 100 anos da Imigração Italiana, com homenagem ao Inos Corradin, e o aniversário dos 150 anos da Revolução Francesa. Eis as letras desses dois desfiles que Erazê compôs letra e música para ficar na história do Carnaval Jundiaiense.

“FUNICO AQUI, FUNICO LÁ”

Um “massolin” de Fiori

Para saudar o imigrante italiano

Um tamborim de amore

Viva Veneza! Viva o cais napolitano

É ou estamos na nossa

Sempre na sua chegando enfim

Brindando a colônia italiana

Com muita gana cantando assim:

Funico aqui, funico lá

Funico aqui, funico lá

É que nós viemos aqui pra funicá

Funico aqui, funico lá

Funico aqui, funico lá

É que nós viemos aqui pra funicá

Um “massolin”.

“ALLONS ENFANTS” DE JUNDIAÍ

Oh! Abre alas, ulá-lá

“Bon Jour noblesse” nosso bloco

Vai passar! Vai passar!

Sai da frente “Antoniette”

“Pompadour” me dá confete

Neste bloco é “bonsoir”

Deixa eu passar com “mon amour”

Vou pra Paris de Sajatour

Pra desfilar no “Panteon”

Na quarta-feira a gente faz “revolucion”

“Allons enfants” de Jundiaí

Revolução aqui pra nós e “déjà vu”.
Jundiaqui
Você vai
gostar de

Jundiaí tem 24 candidatos para cada vaga na Câmara

TSE aponta que um total de 459 vão tentar se eleger para uma das 19 cadeiras

O tempo sagrado da dança, com o La Bella Arte

Alunos fazem belas apresentações em cima do tema “Quanto Tempo o Tempo Tem?” 

Jundiaí é uma das 8 cidades na rota do “Abba Show”

Grupo sueco que já fez cinco vezes mais shows que a banda original, vem na terça-feira

Mika Soul e Panela Preta no Centro nesta sexta

Apresentação começa a partir das 18 boras na Praça do Coreto. É de graça
Jundiaqui
Artigos assinados não representam a opinião do site. Esse conteúdo é de responsabilidade exclusiva de seu autor.